Funcionamento : Segunda a Sexta, das 8h às 19h
aos Sábados das 8h às 12h

  
Telefones de Contato: : (71) 3016-3030

Descongestionante - Cliface Otorrino

Descongestionante nasal vicia e pode mascarar males maiores

Seja verão ou inverno, quando surge a baixa umidade do ar ou aumentam os problemas respiratórios graças aos casos de gripes, resfriados e rinites, o nariz entupido é o sintoma mais comum e incômodo. A maioria das pessoas não pensa duas vezes em ir à farmácia e comprar um descongestionante nasal por conta própria, achando que usar o produto sem acompanhamento médico não trará problema.

E assim começa um dos casos mais clássicos de “vício” em um medicamento, com direito até a declarações em páginas de redes sociais como o “Clube dos Viciados” de um descongestionante conhecido.

“O descongestionante nasal deve ser usado por, no máximo, cinco dias consecutivos, e de oito em oito horas. Se a pessoa continuar a usá-lo, haverá um efeito rebote: para de tomar e o nariz entope novamente e só melhora se pingar o remédio para desobstruir. A pessoa já leva o medicamento no bolso e acaba encurtando os intervalos de aplicação”, conta a pediatra Edina Mariko Koga da Silva, diretora do Centro Cochrane do Brasil, uma organização não governamental que elabora, mantém e divulga revisões sistemáticas de ensaios clínicos.

A médica frisa que as pessoas tomam sem sequer ler a bula, não procuram um médico e, assim, o uso do medicamento torna-se crônico. Ela também lembra que os que sofrem mais são aqueles que moram em grandes centros urbanos, por causa da poluição. “Também há o problema dos ‘edifícios doentes'”, afirma.

Ela se refere à má qualidade do ar interno de alguns edifícios, o que passou a ser conhecido mundialmente como “Síndrome dos Edifícios Doentes”, decorrência de uma conjunção de fatores que vão desde os problemas no projeto até a má conservação dos dutos e dos aparelhos de ar-condicionado, causando dois tipos básicos de contaminação: a biológica por fungos, bactérias, vírus e protozoários e até mesmo aracnídeos como é o caso dos ácaros e, a química proveniente de gases liberados por produtos de limpeza, vernizes, tintas, equipamentos de escritório, colas, aumento no nível de dióxido de carbono etc.

Sem controle

O otorrinolaringologista Antônio Carlos Cedin, chefe do serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Beneficência Portuguesa e Presidente da Sociedade Paulista de Otorrinolaringologia, também alerta que o descongestionante nasal, hoje em dia, é um dos principais itens com os quais as pessoas se automedicam, pois é vendido livremente e sem controle.

“Quando há contração da circulação dos vasos sanguíneos, o sangue não chega à cavidade do nariz. É o caso da rinite alérgica, quando os tecidos nasais incham, impedindo que o sangue chegue. A pessoa usa o descongestionante e melhora, mas o efeito é passageiro. Quanto mais potente o remédio, a dilatação volta mais forte. Se usado sem prescrição correta e por tempo prolongado, as pessoas têm maior facilidade de se tornarem dependentes. É uma dependência física, química e psicológica, porque proporciona uma satisfação no respirar”, enfatiza o médico.

Contraindicação

É preciso lembrar que o descongestionante nasal é contraindicado para quem tem problemas na próstata, hipertensão e arritmia cardíaca e pode causar retenção urinária e insônia.  “Em menores de um ano o descongestionante pode gerar até mesmo convulsões”, avisa Cedin.

No caso de rinite, o otorrinolaringologista comenta que medicamentos via oral, como antialérgicos, regulariam o entupimento nasal. Porém, frisa que é preciso fazer um diagnóstico correto do motivo da obstrução, tratar essa situação de dependência e descobrir o fator desencadeador.

Cedin é enfático: “Se for uma queixa recorrente, não pode simplesmente comprar na farmácia e se automedicar, o que pode até mascarar algo mais sério. É preciso muito critério e indicação médica. O uso deve ser feito em alguns casos e sempre num curtíssimo espaço de tempo”.

Quando o problema for algo grave, ele recomenda tratar com medicamento ou cirurgia, como nos casos de desvio do septo ou adenoides (duas pequenas glândulas compostas por tecido linfoide, semelhantes às amígdalas e aos linfonodos) que se crescerem muito, podem causar obstrução da passagem do ar respirado pelo nariz.

“Se a pessoa for para a praia, tirar umas férias e mudar de ares, por exemplo, a rinite melhora bastante. Para ajudar a desobstruir o nariz no dia a dia, o indicado é o soro fisiológico e a solução salina no lugar do descongestionante”, ensina a pediatra.

Estudo

Um estudo realizado no exterior, em 2009, pelo Instituto Cochrane mostrou que a utilização do medicamento traz uma porcentagem de melhora muito baixa. Aqui o resumo da pesquisa:

“O resfriado é a razão mais comum de doenças entre os adultos, que podem experimentar de dois a quatro episódios por ano. Por enquanto, ainda não há cura para este mal, assim, a diminuição de seus sintomas é o foco do tratamento. A congestão nasal é o sintoma mais comum. Descongestionantes orais ou nasais são frequentemente utilizados.

Sete ensaios foram feitos para determinar o benefício de uma dose de descongestionante, mostrando uma melhoria de 6 % nos sintomas relatados. A melhoria nos sintomas continuou em 4 % das pessoas mesmo após três a cinco dias de uso. Essas melhorias foram conseguidas graças à redução na resistência das vias aéreas nasais.

Dois ensaios foram usados para determinar a probabilidade de efeitos adversos do uso de descongestionantes sobre o tratamento não eram mais prováveis do que com placebo. O efeito adverso mais comum no tratamento foi insônia (5%). Analisamos o uso de descongestionantes em crianças, mas apesar da alta incidência do resfriado comum entre elas, não havia provas desse medicamento ser adequado para a inclusão. Descongestionantes fornecem alívio de curto prazo de obstrução nasal para adultos com resfriado comum, mas não são recomendados para crianças menores de 12 anos”.

Fonte: http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2014/07/24/descongestionante-nasal-vicia-e-pode-mascarar-males-maiores-dizem-medicos.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *